Skip to main content
Homem a limpar um teclado

Como criar uma aplicação:
Um processo composto por 5 passos para quem queira colocar uma ideia fantástica em prática

Quer seja um principiante com uma ideia viável, mas sem competências no domínio da codificação, ou um programador profissional, os primeiros passos para criar uma aplicação capaz de resolver um problema empresarial são os mesmos e todos eles dependem do planeamento. Este, por sua vez, permitir-lhe-á poupar tempo e cortar nas despesas mais tarde quando estiver a compilar uma aplicação. Comece a dar forma à sua visão com estes cinco passos.

Passo 1. Definir os seus objetivos

Trace o objetivo da sua aplicação com clareza. Defina a sua meta empresarial, por exemplo, o aumento da produtividade ou a redução das despesas.

Questões a ter em consideração:

  • Quais são os objetivos que se propõe atingir? Qual é o problema que a sua aplicação irá resolver? Pense naquele que será o principal ponto forte da aplicação.
  • Pretende criar uma aplicação nativa para uma plataforma ou um dispositivo móvel específico? Uma aplicação híbrida que funciona em diferentes plataformas?
  • Se está a criar uma aplicação para a Web, tenciona utilizar o design reativo para garantir que o esquema, os tipos de letra e os elementos gráficos são apresentados corretamente nos diferentes dispositivos?
  • Que tipo de dados irá a sua aplicação gerar? Como é que estes têm de ser visualizados? O que irá o seu público-alvo fazer com esses dados?
  • Qual é a sua origem de dados, como o Common Data Service e SQL? Vai necessitar de estabelecer ligação a várias origens de dados?

Sugestão:

Informe-se sobre quaisquer políticas que possa encontrar mais tarde, quando a sua aplicação estiver pronta para ser utilizada. Por exemplo, a sua empresa tem requisitos de segurança, privacidade ou conformidade? Há regulamentos governamentais ou requisitos de autenticação/autorização a ter em linha de conta?

Passo 2. Delinear as funcionalidades e as funções

Determine como funciona e quais as ações e operações que todos os utilizadores vão ter de conseguir fazer. Faça uma lista de todas as funções e funcionalidades que tem em mente. Planeie cuidadosamente os casos de utilização e tente perceber se a ideia ainda lhe parece boa no papel.

Quais são as funcionalidades que vão colocar a sua aplicação num patamar sem rival? O que é que pode deixar de fora? O que é que poderá provocar atrasos quando, mais tarde, compilar a aplicação? Simplifique a primeira versão e inclua apenas o que é mais importante. Isso vai permitir agilizar o processo e facilitar a identificação das alterações que forem necessárias.

Sugestão:

Se houver um cenário em que a sua aplicação precisa de funcionar offline, certifique-se de que planeia funcionalidades suficientes capazes de funcionar sem uma ligação à Internet. Também poderá precisar de capacidades adicionais de gravação e carregamento de dados para que a aplicação funcione offline.

Passo 3. Pesquisar aplicações existentes

Veja as soluções que já existem no mercado vocacionadas para atingir objetivos semelhantes ou resolver problemas parecidos. Depois, pense em formas de melhorar ou expandir as capacidades dessas aplicações para fazer face aos seus processos empresariais.

O que precisa de investigar:

  1. Necessidades específicas do seu negócio.
  • Fale com as pessoas com quem trabalha. Saiba o que fazem atualmente para resolver um determinado problema ou se têm algum problema que a sua aplicação poderá ajudar a resolver.
  1. Será que alguém já criou a aplicação de que necessita?
  • Leia as críticas das aplicações disponíveis: quais foram os aspetos que agradaram ou desagradaram aos utilizadores? Quais foram os pontos em que essas aplicações foram mal ou bem-sucedidas?
  • Volte ao seu plano inicial e utilize essa informação para melhorar a sua aplicação.
  1. A sua aplicação é viável? Verifique se existem restrições em matéria de direitos de autor e possíveis atrasos técnicos.
  2. A acessibilidade e a localização são questões que precisa de ter em consideração?

Passo 4. Criar maquetes de planificação

Uma maquete é um guião gráfico do esquema, da funcionalidade e do fluxo entre os ecrãs da sua aplicação. A maquete ajuda-o, a si e aos outros, a ver o resultado pretendido e a assinalar quaisquer problemas antes de dar início à compilação. Pode utilizar caneta e papel ou um modelo ou ferramenta de maquete digital. Crie uma estrutura que seja simples e fácil de seguir.

Crie a maquete de uma experiência de utilizador intuitiva.

A experiência do utilizador simboliza o fluxo e a função da sua aplicação, a forma como os utilizadores interagem com a mesma. O que acontece quando um utilizador toca num botão? Como é que os move de um ecrã para o outro? Quantos ecrãs serão necessários para os utilizadores atingirem cada objetivo? Em que ordem devem ser apresentados? Crie uma maquete de planificação do ecrã completo para cada tarefa.

Criar uma maquete da interface de utilizador (IU) visualmente apelativa.

Visualize o aspeto de cada ecrã e a forma como as suas funções se encaixam. Pense em aspetos como a tipografia, as cores, os ícones e os separadores para conferir um aspeto e funcionalidade consistentes. Experimente esquemas e tamanhos diferentes para cada elemento visual. Desenhe diagramas aproximados ou "máscaras" de cada ecrã.

Sugestão:

Reflita um pouco sobre outros elementos de design personalizados que gostaria de incluir, como confirmações de ação de pop-up ou botões para ocultar/mostrar baseados em permissões de utilizador/acesso.

Passo 5. Testar e aperfeiçoar as planificações

Está na altura de testar a planificação em tempo real. Isto ajuda-o a ver os pontos onde o percurso do utilizador pode não estar a fluir facilmente.

Confira interatividade à sua planificação.

  • Associe ecrãs e interligue ações que simulem a experiência da sua aplicação.

Procure a ajuda de técnicos de testes e faça-lhes perguntas.

  • Quando abre a aplicação, é fácil aceder ao menu principal?
  • Consegue identificar facilmente todas as opções das tarefas?
  • Quais são os pontos onde a experiência é fácil e intuitiva?
  • Quais são os pontos onde fica bloqueado?
  • Foi necessário recuar aos ecrãs anteriores porque os passos seguintes não eram claros?
  • Necessitou de um passo que não existia ou que não conseguiu encontrar?
  • Detetou alguma repetição e redundância na experiência da aplicação?

Sugestão:

Aguarde até os testes da planificação indicarem que a experiência não apresenta impedimentos antes de iniciar o desenvolvimento técnico da aplicação.

Ordene os seus comentários, faça uma lista das revisões, corrija o que for necessário e, em seguida, teste novamente as planificações para ver se a aplicação funciona melhor. Repita esse processo até a aplicação fluir com facilidade.

Dê os passos seguintes

Depois de terminar o planeamento, está pronto para passar à fase de criação. Para tal, comece por escolher as suas ferramentas. Utilize o seu próprio código na criação da aplicação ou crie rapidamente uma aplicação com uma ferramenta de pouco código, como o Microsoft Power Apps, que disponibiliza um esquema de arrastar e largar e componentes de IA pré-criados.